No dia 6 de Outubro de 1944, no Estado de São Paulo, nascia José Carlos Pace. Conhecido também como Moco por seus amigos mais próximos, o piloto se tornou grande nome do automobilismo. 

Apaixonado por velocidade, já nos anos 60, o piloto começou a pilotar Kart. Pace participou do Prêmio Aniversário do Automóvel Clube do Estado de São Paulo, com um DKW em sua primeira corrida, porém, em 1966 aos 22 anos, José iniciou sua carreira profissional correndo em provas de Turismo.

Estreou na Fórmula 1 em 1972, pela equipe Williams, com um carro da temporada anterior que pertencia à equipe March. Mesmo com um carro um pouco limitado, José marcou 3 pontos na sua primeira temporada. O piloto sempre foi tímido e não gostava de conversar com a imprensa, por isso o apelido Moco foi carregado pelo resto da vida.

Muitas pessoas conhecem o Autódromo de Interlagos, mas poucas sabem que ele foi batizado de novo, como Autódromo José Carlos Pace… Preparem os corações para mais uma história emocionante contada aqui pela Sid Special Paint! 

José Carlos Pace na Fórmula 1

A sua primeira temporada, em 1972, foi difícil. O seu carro era mais fraco do que os outros carros concorrentes, mas mesmo assim, foram ótimos resultados conquistados naquela temporada. Dos pilotos da Williams, José Carlos Pace foi o único a pontuar aquele ano, em 6º lugar na Espanha e 5º lugar na Bélgica.

Em 1973, Pace decidiu dar uma chance para outras modalidades. Ele disputou três corridas pela equipe Surtees na F2, algumas corridas pela Ferrari, e também disputou o World Sportscar Championship. 

Pode não parecer um bom resultado, mas com um cenário totalmente desfavorável, conquistar 7 pontos e ficar em 11º lugar foi uma conquista imensa. Pace considerava esses resultados “fracos”, porém não desistiu de ir atrás dos seus sonhos. 

Então surge o convite da Brabham, equipe onde ele poderia finalmente mostrar todo o seu potencial. No dia 19 de agosto de 1973, José Carlos Pace se tornou o segundo piloto brasileiro a subir ao pódio em uma corrida de Fórmula 1, o primeiro brasileiro foi Emerson Fittipaldi. Essa foi a primeira vez que Moco participou de um pódio na F1. Pace foi o terceiro colocado no GP da Áustria. 

Primeira e única vitória de Pace na Fórmula 1

Como se não bastasse essa superação incrível, Pace foi além. No dia 26 de janeiro de 1975, José Carlos Pace conquistou sua única vitória na F1, com Emerson Fittipaldi na segunda posição!

A emoção de conquistar o 1º lugar foi grande, mas com dobradinha de Pace e Emerson no Autódromo de Interlagos, a felicidade ficou maior ainda. A partir da metade da prova, os dois protagonistas daquela corrida brilhavam através de seus talentos. 

O argentino Reutemann ficou para trás enquanto Pace o ultrapassa, durante o tempo que Fittipaldi estava em direção a terceira colocação. O carro de Jarrier apresentou problemas na 32º volta, deixando o caminho livre para os brasileiros.

Era para o grande piloto conquistar mais dois pódios ainda em 1975, porém, com vários problemas mecânicos em seu carro, foi obrigado a abandonar várias corridas e terminou o mundial em 6º lugar.

Novos rumos na carreira de José Carlos Pace 

Em 1976, o piloto foi convidado para aparecer no filme Bobby Deerfield, como dublê do ator Al Pacino. O filme se tratava de um piloto de F1 obcecado em vencer, mas depois de ver um acidente trágico e fatal, começa a ter medo da morte. Em todas as cenas de corrida, quem aparece é o Pace.

Neste mesmo ano, a Brabham deixou os motores Cosworth DFV e adotou os Flat-12, Alfa Romeo. Com essa novidade, Pace pontuou em três corridas chegando 6º lugar no GP da Espanha e conquistou por duas vezes o 4º lugar, uma vez na França e outra vez na Alemanha.

A fatalidade que levou um grande piloto

Em 1977, o país perdeu um grande ídolo… Pace sofreu um acidente. Não foi como Ayrton Senna que se acidentou nas pistas. Pace partiu enquanto estava nos céus sobrevoando a Serra da Cantareira, em São Paulo. 

No dia 18 de março, José Carlos Pace, estava em um avião de pequeno porte, no início de uma tempestade. O monomotor perdeu o controle e se chocou numa árvore, a morte foi imediata, lamentavelmente.

Sua partida foi cedo demais. Moco ainda com muitos sonhos para conquistar, deixou este mundo, mas deixou o seu legado como herança para todos os apaixonados por automobilismo.

Homenagem ao José Carlos Pace no Autódromo de Interlagos

Como não homenagear um ser humano tão bom quanto Pace? Foi em 1985 que o Autódromo de Interlagos foi rebatizado para Autódromo José Carlos Pace. O local é agora uma grande lembrança de alguém que orgulhou o país e nunca desistiu dos seus sonhos.

Em 1990, foi inaugurado no local um busto em sua homenagem, na entrada principal.

Além de inspirar muitos pilotos, Moco deixou uma família. Elda lembra de seu marido com muito carinho e seus dois filhos, que eram pequenos na época que ele deixou. Hoje, já grandes, sentem muito orgulho do pai.

Esperamos que você tenha gostado de conhecer um pouco mais sobre a história do talentoso e inspirador piloto, José Carlos Pace. 

José Carlos Pace (06/10/1944 – 18/03/1977)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *