A ideia de uma série de corridas de carros elétricos em circuito de rua começou simplesmente a partir de notas no verso de um guardanapo. Mais precisamente, na noite do dia 3 de março de 2011, o presidente da FIA, Jean Todt, e o empresário espanhol presidente da Fórmula E, Alejandro Agag, encontraram-se em um restaurante em Paris e combinaram ideias em poucas palavras sobre o que seria o primeiro campeonato internacional de monopostos 100% elétrico do mundo. 

A missão dos organizadores da Fórmula E era proporcionar uma corrida pelas ruas das cidades mais icônicas do mundo, para assim, junto a uma grade com os melhores pilotos de corrida e equipes, mostrar o potencial da mobilidade sustentável, ao conduzir veículos que não utilizam combustíveis fósseis para um mundo melhor e mais limpo.

Desde a estreia na área do Parque Olímpico em Pequim, em 2014, a Fórmula E se tornou uma marca de entretenimento global com o automobilismo no coração. Agora, com 12 equipes e 24 pilotos no grid, o campeonato se tornou destino das melhores equipes e dos grandes talentos do automobilismo mundial.

De um rascunho no verso de um guardanapo em 2011, ao topo do automobilismo em 2021. Continue com a gente e entenda como o sonho do fundador da Fórmula E, Alejandro Agag, e o presidente da FIA, Jean Todt, tornou-se a categoria automobilística que mais cresceu no planeta em uma década!

F-E
Audi e-tron FE07 #11 (Audi Sport ABT Schaeffler), Lucas di Grassi

Mais a fundo na história da Fórmula E

O início das competições

Em apenas três anos, a Fórmula E passou do conceito à realidade.

Através de protótipos e tecnologia VE inovadora, os idealizadores conseguiram transmitir sua ideia para as pistas de corrida, trazendo assim, a Gen1, a primeira corrida realizada há sete anos na estreia global da série no Parque Olímpico de Pequim.

Dois anos antes, a Formulec já havia lançado um protótipo para as pistas, totalmente voltado para o Gen1 em 2014. A corrida deu início a uma revolução no automobilismo. Com carros elétricos a categoria já apresentava números impressionantes de performance, seus carros traziam 150 kW de potência no acabamento de corrida e um tempo de 0–60 mph em pouco menos de três segundos.

O carro Gen1 continha tecnologia de bateria elétrica nunca testada antes em uma pista de corrida, abrindo precedentes para o projeto do Fórmula E ao expandir o que é possível com a tecnologia VE de ponta. Dois carros por piloto equilibraram a necessidade de bateria, capacidade e velocidade, para a melhor corrida possível na pista.

O calendário inaugural trouxe a Fórmula E a 14 países e corridas no coração das principais cidades do mundo, incluindo Londres, Miami, Pequim e Berlim.

A Fórmula E deu início à revolução da corrida de carros elétricos em circuitos de rua no E-Prix de Pequim, em 13 de setembro de 2014; depois de 25 voltas de corrida, tudo aconteceu na última curva da volta final. Lucas Di Grassi marcou seu nome nos livros de história ao se tornar o primeiro vencedor da corrida na Fórmula E.

Fórmula E

A 1ª temporada teve sete vencedores representando seis equipes diferentes. Buemi liderou a pilha de três vitórias, com Sam Bird e Nelson Piquet Jr., os únicos outros pilotos a obterem mais de uma vitória.

Nelson Piquet Jr. subiu duas vezes no degrau mais alto do pódio na China Racing/NEXTEV TCR e conquistou o primeiro título de piloto da Fórmula E. Ele conquistou a coroa por apenas um ponto de Buemi, com Di Grassi em terceiro, depois que os três se dirigiram à final com chances de sair por cima.

Com o sucesso do primeiro E-Prix, novos investidores se juntaram à Fórmula E para acelerar a visão de demonstrar o potencial da mobilidade sustentável e ajudar a criar um mundo melhor e mais limpo.

A 2ª temporada da Fórmula E

O calendário 2015/16 teve 10 corridas em 9 cidades diferentes, e a Fórmula E recebeu 7 novos fabricantes. Essa temporada foi marcada pelos regulamentos abertos, assim permitindo que as equipes projetassem seus próprios motores, inversores, caixas de câmbio e suspensão traseira, com potência também elevada para 170 kW (230 bhp).

Um dos momentos históricos para a FIA e a Fórmula E, foi a realização de  corridas internacionais automobilísticas nas ruas de Paris. Segundo o presidente da FIA, Jean Todt: “Sempre sonhei com uma corrida em Paris. Conseguimos isso com a Fórmula E.”

Na segunda temporada a disputa continuou dura entre os corredores, Buemi e Di Grassi foram para a última corrida da temporada em Londres empatados em pontos. O suíço se classificou na pole, enquanto Di Grassi conseguiu o terceiro lugar, com o companheiro de equipe de Buemi, Nico Prost, entre eles. Na curva um, a batalha pelo campeonato deu mais uma guinada quando os dois primeiros colocados da classificação colidiram.

Buemi selou o campeonato de pilotos com apenas dois pontos de Di Grassi, graças à volta mais rápida, sendo forçado a pegar seu segundo carro. A Renault e.dams manteve a coroa dos construtores.

Algumas ações de marketing também se destacaram neste ano, Lucas di Grassi dirige o carro da Fórmula E em uma plataforma de gelo do Ártico, na Groenlândia, para aumentar a conscientização sobre o ano mais quente já registrado e a quantidade de gelo marinho que se desprende do Ártico atingindo novos níveis históricos.

Lucas di Grassi dirige o carro da Fórmula E em uma plataforma de gelo do Ártico

A 3ª temporada da Fórmula E

A 3ª temporada apresentou uma mudança significativa no calendário, incluindo novos locais, com a viagem inaugural do campeonato a Hong Kong, a primeira viagem à África, em Marrakesh, o retorno do E-Prix de Mônaco, a mudança de Berlim para o circuito do aeroporto de Tempelhof após um ano em Karl-Marx-Allee e, por fim, uma corrida em rodada dupla na cidade de Nova York.

A Jaguar retornou como fabricante no automobilismo pela primeira vez em 12 anos, quando a lendária marca britânica entrou no grid da Fórmula E ao lado da nova roupa da TECHEETAH, enquanto a ABT fez parceria com a Audi para criar a equipe de “fábrica” Audi Sport. O gigante das corridas dos Estados Unidos, Andretti, firmou uma parceria técnica com a BMW e estabeleceu as bases para a entrada iminente da marca alemã na 5ª temporada.

Nessa temporada, Buemi se tornou o primeiro piloto a ter três vitórias consecutivas, após a vitória em Buenos Aires. Porém a luta pelo título iria novamente para as rodadas finais, com os rivais Buemi e Di Grassi se enfrentando em Montreal. 

A desqualificação na corrida de abertura de rodada dupla fez com que a inclinação do título de Buemi desmoronasse e Di Grassi ganhasse o campeonato de pilotos (seu primeiro), enquanto a Renault e.dams conquistou o terceiro título consecutivo por equipes.

Lucas di Grassi

A 4ª temporada da Fórmula E

A 4ª temporada deu as boas-vindas à ABB como parceiro de título da Fórmula E, enquanto a empresa de tecnologia global e a campeonato se uniram para impulsionar o progresso na vanguarda da eletrificação e tecnologia sustentável.

O carro Gen2 da Fórmula E foi revelado ao público com promessa de mais velocidade, mais eficiência e um salto tão significativo que as corridas não incluiriam mais trocas de carros. O carro Gen1 sairia em sua capacidade máxima, pois a potência foi aumentada de 170 kW para 180 kW (240 bhp)

Com um total de nove montadoras, incluindo Jaguar, Nissan, BMW, Audi, DS e Mahindra, a Fórmula E serve como uma plataforma competitiva para que fabricantes de carros globais e fornecedores de mobilidade testem e desenvolvam tecnologias relevantes para as estradas.

Na temporada da Spark-Renault SRT 01E, com o carro Gen1, a Fórmula E viu Jean-Eric Vergne conquistar a vitória do campeonato de pilotos, superando o atual campeão Lucas di Grassi — embora a Audi Sport ABT Schaeffler tenha levado as honras das equipes à frente da TECHEETAH.

Uma recuperação tardia de Lucas di Grassi, conquistando vitórias em Zurique e em Nova York, não foi suficiente para deter a investida do piloto francês Vergne; ele decidiu a corrida com a vitória na décima segunda rodada na Big Apple e ficando com o título, embora a consistência de Di Grassi e Abt tenha feito a Audi levar as honras das equipes.

ABB + Fórmula E

5ª temporada: Uma nova era para a Fórmula E

A 5ª temporada foi o início de uma nova era ousada para as séries de corrida de carros elétricos em circuitos de rua.

A primeira mudança significativa foi a introdução do novo carro Gen2. Com um estilo “Batmóvel”, ele apresentava mais potência com uma nova bateria leve bombeando 250 kW (225 bhp) para chegar a uma velocidade máxima de 280 km/h (174 mph). Um aumento na capacidade de bateria também pôs fim aos pit stops com os avanços tecnológicos; assim, os carros puderam cumprir com o novo formato de 45 minutos mais uma volta em velocidades de corrida.

[foto do novo carro gen2]

Liderado pela lenda da Fórmula 1, Felipe Massa na Venturi Racing, uma série de novos rostos se juntou ao grid; o favorito dos fãs belgas, Stoffel Vandoorne, alinhou-se à lenda do DTM, Gary Paffett, na nova equipe da HWA Racelab. 

Também havia jovens talentos promissores na forma de Pascal Wehrlein na Mahindra Racing e Oliver Rowland juntando-se ao ex-campeão Sebastien Buemi na Nissan e.dams, quando o fabricante japonês entrou na briga ao lado da marca alemã BMW.

A imprevisibilidade reinou por mais uma temporada com corridas inesquecíveis.

Uma nova temporada e o novo carro Gen2 pediram um destino diferente com a estreia da Fórmula E na Arábia Saudita, com a rodada de abertura na histórica cidade de Diriyah. A empresa aérea SAUDIA tornou-se a parceira oficial de linhas aéreas da série e deu início a um relacionamento de longo prazo com um Boeing 777 especial para a Fórmula E.

Pandemia nas corridas

Após um ano impressionante de corridas, os fãs esperavam ansiosos pela 6ª temporada. O calendário apresentava novos e emocionantes locais ao redor do mundo, e a primeira metade da temporada não decepcionou. Porém, com o mundo mergulhado na incerteza e no lockdown após a pandemia do coronavírus, as corridas entraram em paralisação.

Ainda havia esperança na comunidade da Fórmula E, que se uniu durante este período difícil por meio de esportes, atividades de caridade em apoio à UNICEF e muito mais, antes do retorno emocionante e até então sem precedentes no final da temporada de seis corridas em Berlim.

Em 2019/20, o ABB FIA Formula E Championship se tornou #PositivelyCharged, enquanto a série, os parceiros, as equipes, os pilotos e os fãs trabalhavam juntos para expandir a corrida com carros elétricos.

#PositivelyCharged

Momento atual da Fórmula E

Após vários anos e diversas temporadas de corridas nas ruas das cidades mais progressistas do mundo, a Fórmula E ganha o status de campeonato mundial, título dado pela FIA (órgão regulador do automobilismo) em dezembro de 2019.

Comentários dos dirigentes e patrocinadores não deixam dúvidas do entusiasmo e alegria em alcançar esse patamar. A série de corridas será reconhecida como o ABB FIA Formula E World Championship desde o início da temporada 2020/21, conforme o line-up mais competitivo de equipes de classe mundial e fabricantes continua sua batalha nas ruas para avançar na adesão à mobilidade sustentável nas corridas para promover um mundo melhor e mais limpo.

Gen2 F-E

🏁 Aproveite e confira uma das melhores ações de marketing e conscientização do mundo das corridas!

Curtiu a viagem na história dos carros elétricos no automobilismo? Então fique por dentro das principais categorias do automobilismo mundial e conheça todas as modalidades do esporte! 🤩

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *